Câmara Municipal de Lisboa:
Pesquisar neste site: 
 
Retrato de Fernando Pessoa 
 
Retrato de Fernando Pessoa 

Óleo s/ tela
Almada Negreiros
1954
Dim.: 2000 mm X 2000 mm
Nº Inventário: MC.PIN.410
Localização: Em exposição na Casa Fernando Pessoa

Nesta obra, de concepção plástica à qual não é alheia a influência que sobre ele exerceu a obra de Picasso (no período correspondente ao final da 2ª Guerra Mundial), Almada Negreiros (1893 – 1970) retrata Fernando Pessoa sentado à mesa do restaurante Irmãos Unidos. Aqui, onde os pormenores decorativos do espaço reflectem a imposição de um modernismo cosmopolita sentida também ao nível das artes decorativas tão ao gosto de Almada, o artista apresenta uma construção cénica que se reveste de intencional carga simbólica.

Este facto é evidenciado pela presença, sobre a mesa, do exemplar nº 2 do Orpheu, último número deste periódico a ser editado, no qual colaborou Fernando Pessoa e a partir do qual o futurismo português se começou a manifestar. O poeta, como que numa sugestão a um momento de criatividade, é representado segurando um cigarro, enquanto mantém a outra mão sobre o manuscrito no qual, hipoteticamente, trabalha.

Executada para o restaurante Irmãos Unidos, a obra surge como uma homenagem ao poeta e aos tempos áureos do Orpheu, já que era neste local que se reunia o grupo que seria responsável pela afirmação do modernismo em Portugal.

Em 1964 Almada realizou uma réplica desta obra para a Fundação Calouste Gulbenkian.

Em 1970, após o encerramento do café e na sequência do leilão efectuado, a peça foi adquirida pela firma Decorações Mitnitzky. No mesmo ano, participou no Salão de Antiguidades, onde foi adquirido pelo banqueiro Jorge de Brito que o ofereceu à Câmara Municipal de Lisboa, em sessão solene realizada no Salão Nobre dos Paços do Concelho onde esteve exposto até à sua incorporação no Museu da Cidade. Desde 1993, a obra encontra-se em exposição na Casa Fernando Pessoa.

© 2008 Câmara Municipal de Lisboa
União Europeia - FEDER
POS_Conhecimento
Câmara Municipal de Lisboa